Jejum Intermitente

Top trend das dietas, um dos assuntos mais comentados em 2017, mas o que “raios” é jejum intermitente (ji)? Conversamos com a nutricionista Luciana Mendonça, para entender melhor do que se trata, se há contraindicações e o que podemos ou não fazer.

Jejum Intermitente é uma proposta de rotina alimentar que consiste em alternar períodos em jejum, que podem ser de 12, 16, chegando até a 24 horas em alguns protocolos, com períodos de refeições. O mais comum é alternar 16h/8h (16 horas em jejum e 8 horas para as refeições).

Geralmente ele está associado à dieta paleolítica (consumo de alimentos de caça, pesca e oriundos de plantação) ou dieta low carb (baixo carboidratos). Ambas sugerem um maior consumo de alimentos não industrializados, preparados da forma mais artesanal possível. “Não é porque ficou 16 horas em jejum que pode comer tudo o que quiser durante a janela de alimentação, é importante fazer bolas escolhas para alcançar um bom resultado.”, diz Luciana.

Quem pode? A indicação, em geral, é para um adulto saudável, e quem quiser aderir a este método deve estar ciente dos riscos. Assim como qualquer dieta ou protocolo de emagrecimento, pode haver perda da massa muscular e redução da performance nos exercícios físicos. Mesmo assim, o protocolo não restringe a atividade física, mas é importante ficar atento aos limites do corpo.
É indispensável que se faça boas escolhas durante o período de refeições, para compensar o jejum e nutrir o corpo adequadamente. São indicados o consumo de proteínas (carnes, peixes, aves, ovos, queijos, castanhas), verduras e legumes com baixo teor de carboidrato (abobrinha, berinjela, chuchu, entre outros), frutas ricas em gordura como coco e abacate. Como fonte de carboidratos, os alimentos mais indicados são as raízes (batata, mandioquinha, inhame, mandioca), e frutas. Para substituir a farinha de trigo, pode-se usar farinha de amêndoas, de coco, ou ainda farinhas de sementes, como linhaça, chia, gergelim. O acompanhamento por um profissional nutricionista faz toda a diferença para auxiliar nas substituições e não deixar as refeições monótonas.

Quem não pode? Crianças, adolescentes, diabéticos, gestantes. Neste último grupo, pode causar efeito contrário e aumentar os níveis de glicose ao invés de auxiliar no controle glicêmico.

O que pode consumir durante o jejum? NADA! Ou quase isso, pois bebidas e suplementos não calóricos estão liberados. Ou seja, água, chá (se for gelado tem que ser zero açúcar) e café sem açúcar. Alguns pré-treinos e vitaminas também estão liberados.

Parece ser sofrido, não? Queremos saber quem já tentou. Deixe um comentário contando para nós como foi sua experiência.

Visualizações: (383)
0

Carrinho